Publicado em Dicas

LiteraRuas – “A rua tem alma” – João do Rio

O webdocumentário LiteraRuas é uma junção da literatura com o audiovisual, dois elementos que se completaram num lindo trabalho, que “atualizou” algumas das crônicas de João do Rio sobre o Rio de Janeiro. A série conta até agora com 7 vídeos que tratam de assuntos como: a pintura nas ruas, os mercadores de livros, os músicos que se apresentam nas ruas; tudo isso inspirado pelas belas significações do espaço urbano feito por João no livro “A alma encantadora das ruas”. O trabalho foi feito por Laís Carpenter e Priscila Mota para a conclusão do curso de jornalismo na Universidade Federal Fluminense, mas as meninas pensam em continuar fazendo os vídeos e até mesmo expandir para outros autores. “Pensamos sim em continuar o projeto, tiramos umas férias, porque fazer tudo foi muito estressante, mas já estamos nos reunindo com a ideia de fazer a crônica “cordões”, que fala sobre o carnaval” – Laís. Você pode conferir mais informações sobre o trabalho no site, e ver todos os vídeos no Canal do Youtube.
 João do Rio
 joão%20do%20rio“João Paulo Barreto, que adotou o pseudônimo de João do Rio em boa parte das suas obras, nasceu no Rio de Janeiro. Filho de um professor de matemática e de uma dona de casa, ele foi jornalista, escritor, cronista e teatrólogo. Seus textos destacavam o Rio da época, em especial as mudanças pelas quais a cidade passava. Observando, profundamente, os diversos indivíduos que marcavam presença nas ruas da cidade, o autor fez do próprio Rio de Janeiro, seu maior personagem”.

 

A Alma Encantadora das Ruas (1908)

a%20alma%20encantadora%20das%20ruas%20-%20joão%20do%20rio%20-%20literaruasEm A alma encantadora das ruas, reunião de textos publicados na imprensa carioca entre 1904 e 1907, ele percorre as ruas do Rio de Janeiro para reter a cosmópolis num caleidoscópio. A cidade vivia um processo de transformação acelerada, passando de corte modorrenta a ambiciosa capital federal. Ela será o palco das perambulações de João do Rio, o dândi para quem o hábito de flanar definia um modo de ser e um estilo de vida. João do Rio saturava seus textos de reminiscências decadentistas, mas o olhar que fixava no presente era o de um observador que se abria para os tempos modernos. Com histórias e personagens que desenham uma cidade cheia de vida, o livro é apontado como uma das 100 obras essenciais da literatura brasileira.  (domínio público – download)

 

Entrevista com Laís Carpenter sobre o LiteraRuas –

Eu: Como surgiu a ideia?

Resposta: O trabalho final foi a união de duas ideias: a Priscila queria trabalhar com algo que envolvesse literatura, mas não tinha o formato, e eu queria trabalhar com webdocumentário, mas não tinha o tema. Então, resolvemos nos juntar

Eu: Como vocês escolheram a obra do João do Rio?

A ideia de fazer uma releitura da obra do João do Rio (na verdade, não é bem, uma releitura, é uma transcriação), veio porque nós queríamos uma literatura que nos abrisse possibilidades para o áudio visual, além de fácil acesso aos lugares descritos no livro. E o João do Rio caiu como uma luva, porque ele é altamente descritivo em suas crônicas, e fala justamente sobre a cidade do Rio de Janeiro. Escolhemos crônicas que falavam principalmente do centro histórico do Rio, sem contar com a afinidade que tivemos por um ou outro texto

Eu: Como foi a realização?

Resposta: Fazer esse projeto foi uma experiência não só maravilhosa no ponto de vista acadêmico e profissional, como também abriu nossos horizontes para a percepção dos lugares por onde passamos. Pudemos conversar com pessoas incríveis… ouvimos uns muitos “nãos”, mas entre eles, descobrimos muita gente que realmente queria que sua história fosse ouvida. E ouvir é realmente maravilhoso, a gente se apega às histórias e às pessoas, sem contar que eu e a pri somos muito perdidas, e ficar perambulando pelo centro do rio, foi muito bom pra gente conhecer mais das ruas. E acho que nossa principal conclusão foi que a gente é a rua, nós fazemos parte dela. e, justamente por isso, é interessante conhecermos sua história, sua gente…

Eu: Vocês pensam em continuar?

Resposta: O legal desse trabalho também é que ele é bem possivelmente expansível… podemos adaptar outros autores, ou fazer a documentação da mesma crônica, que pode mudar a realidade daqui há 10, 20, 30 anos. Pensamos sim em continuar o projeto, tiramos umas férias, porque fazer tudo foi muito estressante, mas já estamos nos reunindo com a ideia de fazer a crônica “cordões”, que fala sobre o carnaval.

Anúncios

Autor:

Estudante de Jornalismo na UFF, leitora voraz, que gosta muito de dividir com os amigos o que lê, o que gosta de ler e o que amou ler.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s