Publicado em Notícias

{news} Eu li notícias literárias da semana

‘A morada dos gatunos e desordeiros’, crônica inédita de João do Rio
Apesar de não ter sido assinado, texto de 1903 tem o estilo do escritor. Fonte: O Globo. Continue lendo

Kenneth Branagh fará nova versão de ‘Assassinato no Expresso Oriente’
Cineasta britânico vai dirigir e estrelar a adaptação do livro de Agatha Christie. Fonte: O Globo. Continue lendo

Garota de 10 anos cria biblioteca nos fundos de casa para incentivar o hábito da leitura entre crianças
A pequena Kaciane Caroline , de 10 anos já leu mais de 500 livros e conseguiu realizar o sonho de montar uma biblioteca para incentivar o hábito de leitura para todos, mas principalmente crianças. Hoje, o seu acervo conta mais de quatro mil exemplares mas Karoline quer mais: ela pretende transformar o espaço, que fica nos fundos de sua casa em São José do Rio Preto, em uma biblioteca funcional com capacidade de empréstimos, e catalogação e organização de livros. Fonte: Catraca Livre. Continue lendo

Caio Fernando Abreu será o autor homenageado da Balada Literária em 2016
E mais: Adélia Prado – com antologia poética no forno – e Raduan Nassar às vésperas dos 80, Graciliano Ramos vira estátua, Alexandre Nero em adaptação de livro de Rubem Fonseca, etc. Fonte: Estadão. Continue lendo

Estreou essa semana o filme Victor Frankenstein baseado no clássico da Mary Shelley. Tem resenha do livro aqui no blog.

Também tem trailer da série nova do BBC baseada no livro E não sobrou nenhum (O caso dos dez negrinhos) da Agatha Christie.

Infográfico: os 10 livros mais vendidos do mundo
Antes de qualquer coisa, a lista foi feita excluindo livros religiosos. Separamos uma lista com os 10 livros mais vendidos no mundo e tivemos algumas surpresas. A primeira delas foi ver que entre estes bestsellers há muitos livros com pouco volume de leitores no Skoob. Fiquei me perguntando se vocês, leitores, não gostariam de se sentir desafiados e entender o motivo pelo qual estes livros estão em uma lista TOP mundial. Fonte: Skoob. Veja

Vote e ajude a escolher o livro do nosso sorteio de fim de ano!

Anúncios
Publicado em Sorteios

Votação para o sorteio de fim de ano!

{atualização 30/11} – Fim da votação! O escolhido foi Toda luz que não podemos ver de Antony Doerr!

Texto do dia 26/11:

sorteioOi pessoal! Estou planejando o sorteio de fim de ano aqui do blog e gostaria da ajuda de vocês para decidir um dos prêmios, fiz uma lista de livros que já foram mostrados aqui no blog (entre os livros únicos com resenhas mais recentes e que gostei, é claro) que podem entrar no sorteio. Então me ajudem a decidir e votem comentando! Essa votação será relâmpago!

1 – O sol é para todos – Harper Lee (resenha)

2 – Garota exemplar – Gillian Flynn (resenha)

3 – O menino do pijama listrado – John Boyne (resenha)

4 – Toda luz que não podemos ver – Antony Doerr (resenha)

5 – A vida secreta das abelhas – Sue Monk Kidd (resenha)

6 – Vidas Secas – Graciliano Ramos (resenha)

7 – A Noite Maldita – André Vianco (resenha)

8 – Precisamos falar sobre o Kevin – Lionel Shriver (resenha)

9 – O leitor do trem das 6h27 – Jean-Paul Didierlaurent (resenha)

10 – Americanah – Chimamanda Ngozi Adichie (resenha)

Então, qual desses mais te interessa? E você gostaria de ganhar?

Publicado em Eu li...

{eu li} O leitor do trem das 6h27 – Jean-Paul Didierlaurent

Uma leitura bem agradável e prazerosa, com um humor leve e sútil o livro diverte do início ao fim, mesclando aqui e ali uma crítica social. O leitor do trem das 6h27 é uma trama que envolve leitores, esse tipo de livro sempre me deixa curiosa e com vontade de ler: seja de personagens que gostem muito, tenham uma livraria, roubem livros e etc. Adoro! Gosto do tipo de reconhecimento que se tem quando lê um livro assim. E com esse não foi diferente. Esse livro não chegou a virar um dos meus favoritos, mas gostei muito e recomendo.
logo youtbeResenha em vídeo

leitortremSinopse: Operário discreto de uma usina que destrói encalhe de livros, Guylain Vignolles é um solteiro na casa dos trinta anos que leva uma vida monótona e solitária. Todos os dias, esse amante das palavras salva algumas páginas dos dentes de metal da ameaçadora máquina que opera. A cada trajeto até o trabalho, ele lê no trem das 6h27 os trechos que escaparam do triturador na véspera. Um dia, Guylain encontra textos de um misterioso desconhecido que vão fazê-lo buscar cores diferentes para seu mundo e escrever uma nova história para sua vida.

Imagina que tormento! Gostar de livros e trabalhar num lugar em que uma máquina enorme devora livros e mais livros todos os dias, deve ser um sacrifício tremendo. Mesmo que seja para a reciclagem e que vão se tornar outros livros, acho que qualquer amante dos livros ficaria perturbado. Confesso que durante o livro fiquei me perguntando porque o personagem apesar de odiar o trabalho, não procurava outro emprego. a redenção do personagem é ler trechos salvos por ele no trem e com isso querendo ou não melhorar a vida daquelas pessoas que escutam.

Em trinta e seis anos de existência, acabara aprendendo a se fazer esquecível, a se tornar invisível para não provocar mais gargalhadas e zombarias do que as que sempre se manifestavam tão logo era notado. Não é nem bonito nem feio, nem gordo nem magro. Só o vislumbre de uma vaga silhueta nas margens do campo de visão.

Eu se estivesse num trem e ouvisse Guylain acho que não me aguentaria de curiosidade, e ia ficar perguntando de que livro que era e querendo mais informações. Alguns trechos são bem curiosos e instigantes, outros são receitas e manuais.

Para todos os passageiros presentes na composição, ele era o leitor, um sujeito estranho que, todos os dias da semana lia em voz alta e inteligível as poucas páginas retiradas de sua bolsa.

Assim, esse livro é cheio de pequenas histórias. Guylain mesmo sendo um solitário tímido, tem esses momentos em que dá vida a esses trechos salvos. E isso querendo ou não vai atrair pessoas para sua vida, me recuso a contar o que acontece estragar a surpresa. Também temos a história de dois amigos seus, um trabalhava com ele e outro ainda trabalha. Personagens riquíssimos e como retratados em poucas páginas, não vou contar muito sobre eles, só que um mostra uma bela relação de amizade e o outro só fala declamando *versos alexandrinos (muito curioso).

Nunca se esqueça disso, menino, somos para o processo editorial o que o buraco do cu é ara a digestão, apenas isso!

_Um verso alexandrino é direto como uma espada _ explicara um dia Yvon _, nasceu para acertar o alvo, com a condição de honrá-lo. Não deve ser declarado como prosa vulgar. Recita-se de pé.

Um dia Guylain encontra um pendrive no trem e nele vários arquivos de textos de uma mulher, a Julie, e ela ali narra como em um diário seu dia a dia de uma forma bem engraçada (sem querer). Confesso que fiquei meio ressentida de que no meio de tantos livros, um pendrive que mudou tudo, mas foi bom que a história não ficou óbvia. Ela trabalha em um banheiro, limpando e cuidando da ordem. Rola uma crítica a como essas pessoas que tem esse trabalho muitas vezes são invisíveis para as outras, gostei muito disso. E olha que lá na França as pessoas as vezes recebem gorjetas, nunca vi isso acontecer aqui. É claro que ele vai ler esses textos e se encantar com as histórias dela. Assim como quem lê vai ficando curioso em saber quem ela é. Esses trechos contados do diário da Julie me arrancaram algumas risadas.

Nunca se espera que pessoas responsáveis por banheiros públicos, quaisquer que sejam, mantenham um diário digitando no teclado de seu laptop. Devemos servir só para limpar de manhã até a noite, polir peças cromadas, esfregar, enxaguar, reabastecer os suportes de papel higiênico e mais nada. Espera-se que uma zeladora de banheiro limpe, não que escreva. As pessoas podem conceber que eu faça palavras cruzadas, caça-palavras, palavras trancadas em todo tipo de tabela quadriculada. Essas mesmas pessoas também podem aceitar que eu leia fotonovelas, revistas femininas e de televisão nas horas vagas, mas se sentem insultadas quando sabem que eu digito com meus dedos feridos pela água sanitária no teclado de um laptop a fim de registrar meus pensamentos.

Não vou contar mais porque esse livro é curtinho. Acredito que como o auto escrevia contos, o tamanho vem daí, e também a sensação de que há no livro várias histórias dentro de uma.

*Versos alexandrinos são aqueles que possuem 12 sílabas poéticas ou métricas.

jeanpaulgrandeO autor
Jean-Paul Didierlaurent mora em Vosges, na França. Seus contos ganharam duas vezes o Prêmio Hemingway. O leitor do trem das 6h27 é seu primeiro romance, cujo direito de publicação foi adquirido em 25 países (fonte: Intrínseca)

Publicado em Dicas

Mia Couto: Lançamento Mulheres de Cinzas

Oi pessoal, o Mia Couto, autor moçambicano que eu amo acabou de lançar o livro Mulheres de Cinzas, primeiro da trilogia As areias do Imperador. Eu tive a oportunidade de ir no lançamento e ver ele falar. *.* Transformei tudo em vídeo! A Fernanda Torres, atriz e também autora (Fim – resenha), leu algumas páginas também, veja no vídeo algumas partes!

Sinopse Mulheres de Cinzas – As Areias do Imperador 1: Um romance histórico sobre a época em que o sul de Moçambique era governado por Ngungunyane (ou Gungunhane, como ficou conhecido pelos portugueses), o último dos líderes do Estado de Gaza – segundo maior império no continente comandado por um africano. Em fins do século XIX, o sargento português Germano de Melo foi enviado ao vilarejo de Nkokolani para a batalha contra o imperador que ameaçava o domínio colonial. Ali o militar encontra Imani, uma garota de quinze anos que aprendeu a língua dos europeus e será sua intérprete. Ela pertence à tribo dos VaChopi, uma das poucas que ousou se opor à invasão de Ngungunyane. Mas, enquanto um de seus irmãos lutava pela Coroa de Portugal, o outro se unia ao exército dos guerreiros do imperador africano.  O envolvimento entre Germano e Imani passa a ser cada vez maior, malgrado todas as diferenças entre seus mundos. Porém, ela sabe que num país assombrado pela guerra dos homens, a única saída para uma mulher é passar despercebida, como se fosse feita de sombras ou de cinzas. Ao unir sua prosa lírica característica a uma extensa pesquisa histórica, Mia Couto construiu um romance belo e vívido, narrado alternadamente entre a voz da jovem africana e as cartas escritas pelo sargento português.

Todos os livros do Mia Couto publicados no Brasil são do catálogo da Companhia das Letras. Confira nesse post o que comentei sobre Terra Sonâmbula e A Confissão da Leoa. Amo esses livros! Já leu Mia Couto? Não perca tempo! E não deixe de comentar 😉

Publicado em Notícias, Outros

{news} Eu li notícias literárias da semana

Três poemas de Carlos Drummond de Andrade são descobertos em SP
Textos desconhecidos foram publicados na revista “Raça”, de São Carlos, em 1929. Fonte O Globo. Continue lendo

Maria Valéria Rezende desbanca medalhões e vence Jabuti de romance
Lista de vencedores trouxe mais surpresas. Fonte O Globo. Continue lendo

Mia Couto: “O bem não é exclusividade da França, da Europa ou do Ocidente”
Não é exagero afirmar que o moçambicano Mia Couto é um dos escritores de língua portuguesa mais importantes da atualidade. Apontado como candidato ao Nobel de Literatura e finalista do Man Booker International Prize deste ano, o autor de livros consagrados como “Terra Sonâmbula”, “O Último Voo do Flamingo” e “Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra” agora dá início à primeira trilogia de sua carreira, intitulada “As Areias do Imperador”. Nela, Mia constrói um romance histórico sobre a época que o sul de seu país era governado por Ngungunyane, último líder do Estado de Gaza, segundo maior império do continente a ser comandado por um africano, combatido por Portugal por ameaçar o domínio da metrópole sobre sua colônia. Fonte: UOL – Blog Página Cinco. Continue lendo

O futuro de ‘O Diário de Anne Frank’ e a lição de domínio público de ‘O Pequeno Príncipe’
Para alguns, o diário de Anne Frank entra em domínio público em janeiro de 2016. Outros acreditam que será preciso esperar até os anos 2050 para ver várias edições da obra nas livrarias. Fonte: Estadão. Continue lendo

Filme “Órfãos do Eldorado” faz adaptação livre do livro de Milton Hatoum
Fonte: Globo News. Assista

Saiu o teaser da mini série baseada no livro Novembro de 63 do Stephen King.
Tem resenha desse livro aqui no blog!