Publicado em Eu li

{euLi} A Desumanização – Valter Hugo Mãe

A_DESUMANIZACAO_1396502300BSinopse: Quarto romance do aclamado escritor português a ser lançado pela Cosac Naify, A desumanização se passa na paisagem inóspita dos fiordes islandeses. Narrado por uma menina de 11 anos que nos conta, de maneira muito especial, o que lhe resta depois da morte da irmã gêmea, o livro é feito de delicada melancolia e extrema beleza plástica.

Olha que lindeza de cenário em que essa história se passa, mas ao mesmo tempo um lugar isolado e meio inóspito. A Desumanização é uma história bem triste, nunca vi um livro tão fino e tão denso. Eu demorei lendo porque estava fazendo muitas Vøringfossencoisas, mas cada dia em que lia um trechinho fiquei de queixo caído com a qualidade da escrita do Valter Hugo Mãe. Para quem gosta de Mia Couto e de narrativas que beiram a poesia é um prato cheio. Eu vi esse livro no canal da Tati que adoro, minha amiga Camille leu, amou e me emprestou porque sabia que eu ia gostar mesmo. É um livro que te deixa um pouco para baixo mas que ao mesmo tempo te ilumina com algumas passagens.

Como dia na sinopse essa é uma das lindas edições da saudosa Cosac Naif que também tem outros livros do autor no catálogo e que você agora encontra só na Amazon. E a história vai falar de um povoado na Islândia e principalmente de uma família bem complicada. Essa família era composta pelo pai, a mãe e as duas filhas gêmeas Halla e Sigridur, até que a segunda fica doente e morre. Com a morte dela a vida de Halla fica vazia, elas faziam tudo juntas e eram do tipo de irmãs que uma sentia o que acontecia com a outra. Sabe isso que falam dos gêmeos, que é uma ligação extrema? Elas eram assim. Segunda história que leio com gêmeas (livro Uma Estranha Simetria). Então a filha que fica viva não consegue lidar com a perda, ela fica o tempo todo a imaginar a irmã debaixo da terra e a querer que ela estivesse ali. Dizem que Sigridur foi plantada então ela acha que algo vai nascer da irmã e se frusta muito quando nada acontece.

Porque sem a Sigridur, tudo perdera o conteúdo. Estava oco. Como se ela fosse o dentro de tudo.

A mãe também não sabe lidar com a perda e acaba intercalando abandono e ódio para com Halla. A menina também passa a ter raiva da mãe que se mutila e quer que a filha seja infeliz. Em alguns momentos ela vai mesmo se sentir o resto, aquilo que sobrou e vai querer fugir dali. As coisas mudam um pouco quado Einar entra na vida de Halla, mas também é uma relação complicada já que ela ainda é uma menina. E ele mesmo tem seus fantasmas e traumas que somam aos dela.

Quem sepulta filho não tem idade. Está para lá das idades, para lá dos tempos, tem uma posse do mundo que independe de todas as limitações. A intensidade de quem sepulta um filho é semelhante à das forças inaugurais ou terminais. Pode fazer e desfazer tudo. Legitimamente lhe é conferido o poder moral de começar ou acabar tudo.

Tudo isso acontece em um lugar bem ermo, em que a própria Islândia é um personagem citado em vários momentos, como se fosse uma deusa. O pai das meninas é poeta e tem várias discussões filosóficas coma menina, então se fala na Islândia algumas vezes. Halla e o pai gostam muito de ler, então tem umas passagens bem bonitas falando de livros e de poesia, da importância das palavras.

Os livros eram ladrões. Roubavam-nos do que os acontecia. Mas também eram generosos. Ofereciam-nos o que não os acontecia. Se a minha mãe deitasse cedo, leríamos como quem partia dali para fora. Para longe. Estás a ouvir mana. Punha a cabeça de encontro ao livro como se para ler fosse necessário mergulhar. Servia de ilusão. O melhor era poder fazê-lo com o meu pai. Adar iludida com ele. Ele , eu sabia muito bem, era uma parte viva da minha irmã.

Acontecem coisas na histórias, difíceis, que não vou contar para não dar spoilers. Acho que qualquer coisa que eu escreva sobre seria insuficiente. Então leiam! Gostou? Comente! 🙂

Anúncios

Autor:

Estudante de Jornalismo na UFF, leitora voraz, que gosta muito de dividir com os amigos o que lê, o que gosta de ler e o que amou ler.

12 comentários em “{euLi} A Desumanização – Valter Hugo Mãe

  1. Adorei a resenha! Minha cunhada é louca pelo Valter Hugo Mãe e comprou um monte de livro dele com desconto na amazon. Acho que muitas das coisas que você mencionou na resenha, minha cunhada pensa igual haha
    Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s