Publicado em Eu li

{euLi} Olhai os Lírios do Campo – Erico Verissimo

OLHAI_OS_LIRIOS_DO_CAMPO_1302088032BSinopse: Eugênio Pontes, moço de origem humilde, a custo se forma médico e, graças a um casamento por interesse, ingressa na elite da sociedade. Nesse percurso, porém, é obrigado a virar as costas para a família, deixar de lado antigos ideais humanitários e abandonar a mulher que realmente ama. Sensível, comovente, “Olhai os Lírios do Campo” é um convite à reflexão sobre os valores autênticos da vida.

Demorei uns 15 dias lendo esse livro, porque achei a leitura arrastada mas ao mesmo tempo queria saber como as coisas iam terminar. É engraçado que já no epílogo Erico Verissimo diz que não gosta muito desse livro apesar dele lhe ter ajudado muito na carreira. Eu não posso dizer que gostei completamente, já  que estava doida para acabar, mas o livro tem muitas passagens ótimas e faz o leitor refletir bastante se não está só olhando para o próprio umbigo. Se não está reclamando demais da vida e esquecendo de valorizar as coisas boas que se tem. Pensei isso tudo, então achei válida a leitura.

Desde a infância Eugênio, ou Genoca, sente um grande complexo de inferioridade. Ele é pobre e as injustiças da vida o tornam ganancioso, covarde e interesseiro… Eu não seria tão condescendente com ele como essa sinopse não. Ele fez suas escolhas, mas percebeu que não estava feliz e custou a aprender como reverter isso. Achei ele um pouco chato porque na maior parte do livro, nunca está feliz, sempre está questionando e não consegue enxergar o amor.

Foi criado por pais amorosos e que fizeram de tudo para pagar sua escola e sustentar até ele se formar mas não conseguia amá-los. Depois conheceu Olívia e no baile de formatura a reconheceu como uma mulher incrível e bela. Mas pobre. E apesar de receber dela várias provas de carinho e amor, casa-se com outra. Eunice surge na vida de Eugênio meio que de repente e ele mesmo sem ama-lá é atraído pelo luxo e riqueza. Mas a ilusão dura pouco e ele é infeliz.

O livro começa com Olívia já morrendo no hospital, Eugênio é chamado às pressas e demora a chegar. Então na narrativa se intercalam momentos de Eugênio no carro, aflito e torcendo para chegar a tempo, com a narração da sua vida até ali. Isso na primeira parte. Na segunda já após a morte de Olívia, Eugênio começa a querer mudar de vida, ajudado pelos conselhos dela que se seguem por cartas. Na mais profunda, ela revela que acredita na sua mudança e cita o sermão da montanha, quem tem uma parte que deu nome ao livro.

Quero que abras os olhos, Eugênio, que acordes enquanto é tempo. Peço-te que pegues a minha Bíblia que está na estante de livros, perto do rádio, leias apenas o Sermão da Montanha. Não te serpas difícil achar, pois a página está marcada com uma tira de papel . Os homens deveriam ler e meditar esse trecho, principalmente no ponto em que Jesus nos fala dos lírios do campo que não trabalham nem fiam, e no entanto sem Salomão em toda a sua glória jamais se vestiu como um deles.

Está claro que não devemos tomar as parábolas de Cristo ao pé da letra e ficar deitados à espera de que tudo nos caia do céu. É indispensável trabalhar, pois um mundo de criaturas passivas seria também triste e sem beleza. Precisamos dar no entanto um sentido humano às nossas construções….

Dá para perceber que Olívia é uma pessoa muito boa, às vezes boa até demais, ela tem uma paciência inacreditável com Eugênio. E é toda essa preocupação com a humanidade que vai rondar a segunda parte do livro, em seu momento de redenção tardio. A grande causa desse momento além de Olívia, é a descoberta de que eles tem uma filha.

O livro é cheio de personagens interessantes com as ideias e ideais mais diferentes.  E sendo assim, muitos embates filosófico acontecem entre Eugênio e os outros e dele com ele mesmo. Um dos personagens mais contraditórios é o Doutor Seixas o médico dos pobres que se dedicou a ajudar a todos mas que em muitos momentos não acredita na humanidade e na possibilidade de ser feliz. Há também Felipe muito preocupado em progredir e gozar a vida sem olhar para a própria família. E Eunice (esposa de Eugênio) na companhia de intelectuais que tem grandes ideias sobre a vida mas que não fazem nada de útil o livro todo. Há muitas críticas envolvidas na narrativa de Verissimo, cada personagem acrescenta alguma discussão.

O grande foco é o valor dado demais as coisas materiais, ao conforto e a segurança. A cegueira em busca de prestígio e o distanciamento dos que vivem a margem da sociedade. O livro foi publicado em 1938, quinto romance de Erico. Um autor muito atento a sua época e o que está acontecendo. Ele também aborda vários fatos históricos. Na primeira operação que Eugênio faz sozinho, ainda médico do subúrbio (pensando na injustiça de operar o moribundo e na sua carreira), temos a Revolução de 30 estourando ao redor. E depois também há discussões sobre formas de governo em que um personagem chega a dizer que entende Mussoline e Hitler e até que os admira. Também há um momento em que começa a Primeira Guerra, e um em que o anti-semitismo já é claro e atrapalha uma relação que acaba com um final bem triste por isso.

01492_mO autor: Nasceu em 17 de dezembro de 1905 em Cruz Alta, no interior do Rio Grande do Sul. Trabalhou como bancário, balconista de armazém e farmacêutico até se mudar, aos 25 anos, para Porto Alegre. Na capital gaúcha, foi redator, diagramador e ilustrador da Revista do Globo, onde estreou como escritor com o conto “Ladrões de gado”. Ganhou diversos prêmios por sua obra literária, como o Jabuti (1966), o Juca Pato (1967), o do PEN Clube (1972) e o da Fundação Moinho Santista (1973). Tornou-se também um bem-sucedido autor de livros infantis e tradutor de obras importantes, como Contraponto, de Aldous Huxley. Erico Verissimo morreu em 1975, antes de concluir o segundo volume de suas memórias, Solo de clarineta, publicado postumamente. Tem obras reconhecidas como O Tempo e o Vento e Incidente em Antares que foram adaptadas para a televisão e cinema.

Eu já li alguns volumes de O Tempo e o Vento (são 7 volumes) e tenho vontade de retomar um dia. Outro livro que fiquei querendo ler depois de uma resenha da Tatiana Feltrin foi Caminhos Cruzados.

É isso então pessoal, espero que gostem, não deixem de comentar! beijos

Anúncios

Autor:

Estudante de Jornalismo na UFF, leitora voraz, que gosta muito de dividir com os amigos o que lê, o que gosta de ler e o que amou ler.

5 comentários em “{euLi} Olhai os Lírios do Campo – Erico Verissimo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s