Publicado em Eu li

{euLi} A promessa – Friedrich Dürrenmatt #SetembroPolicial

a promessa

Esse livro veio pra mim na tag de Agosto e traz duas obras reunidas em um mesmo livro do autor, suiço, Friedrich Dürrenmatt. E a primeira delas, A promessa, é uma novela policial bem interessante então resolvi falar no #Setembro Policial.

Temos dois personagens principais, um escritor e um ex-comandante da polícia que acabam se esbarrando em um bar de hotel. Na conversa o ex-comandante faz críticas aos romances policiais e também conta a ele um crime infantil que acaba mudando o rumo da vida de um de seus melhores investigadores, Mattahäi.

O livro é muito instigante em termos de metalinguagem (quando a linguagem usada, no caso o livro, explica a própria linguagem), já que temos um escritor falando sobre escrever com outra pessoa. E também ao mesmo tempo temos uma história dentro de outra, e ficamos querendo saber o que aconteceu no crime em questão. O assassinato é narrado com o intuito de mostrar como na vida real as investigações seriam muito mais complicadas que nos livros em que, segundo o policial, o detetive só precisa seguir a lógica e ir somando as evidências.

Vocês da escrita, não se preocupam com isso. Não tentam lidar com uma realidade que vive escapando pelos dedos, mas montam um mundo que é administrável. Esse mundo talvez seja perfeito, mas é uma mentira.

(…) É óbvio que nós da polícia, somos obrigados a proceder também logicamente, cientificamente; os fatores de interferência que entram em jogo, porém são tão frequentes que não é raro que apenas a sorte profissional e o acaso decidam em nosso favor.

O ex-detetive também põe em cheque a forma com que o escritor colocará essa história para frente, ele acredita que com certeza o autor a melhorará e fará as situações se encaixarem. Ele não crítica o fim em que o criminoso é capturado, mas como isso se dá de forma “fácil”.

(…) O senhor vai contar tudo de forma geral, como eu tentei contar, apenas de um jeito melhor, obviamente. Afinal, o senhor é o especialista, e apenas no fim o assassino será revelado, a esperança se concretizará, a fé triunfará para que a história seja ainda aceitável ao mundo cristão.

Esses trechos chão cheios de ironia e uma espécie de aceitação do próprio autor porque apesar de certo deboche sobre esse tipo de forma de narrar, o autor não foge muito dessa “revelação final”. Mas também não temos um endeusamento das ações da polícia, apesar da inteligência do investigador ser ressaltada pelo comandante.

Na história contada para o escritor, que nos prende até o final por sinal, acontece o assassinato de uma menina, há 9 anos, numa mata em uma cidadezinha erma. Ninguém viu nada, somente uma testemunha, um caixeiro viajante, sobre a qual paira a dúvida se foi o assassino ou se encontrou por acidente o corpo. O único que não acredita na inocência do suspeito é o investigador Mattahäi. E o leitor porque é muito esquisito a forma como tudo acontece em relação a ele e seria uma resposta muito simples. Mesmo com o caso encerrado, Matthäi fica obcecado em descobrir a verdade e muda tudo para isso, mesmo que signifique destruir a sua própria vida. Ele bola todo um plano, nada ortodoxo, que ficamos na expectativa se vai dar certo. Leiam para saber!

Gostei muito de uma passagem em que Mattahäi precisa defender a testemunha que por pouco escapa de ser linchada até a morte, crimes com crianças trazem a ira da sociedade, com razão. E o investigador consegue contornar a situação de forma inteligente. É uma história curta que vale muito a pena por vários pontos.

Anúncios

Autor:

Estudante de Jornalismo na UFF, leitora voraz, que gosta muito de dividir com os amigos o que lê, o que gosta de ler e o que amou ler.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s