Publicado em Dicas, Lista de livros

De volta no canal! Livros lidos no 2º trimestre ;)

Quem acompanha o Eu li ou vou ler deve ter notado minha ausência, mas tive grandes motivos para isso 😉 E no vídeo de hoje eu falo deles e das leituras que foram feitas em abril, maio e junho (bora recapitular!).

Anúncios
Publicado em Contos, Dicas

Contos de Guimarães Rosa no vestibular da UERJ

imagesOi pessoal, desculpe o sumiço, estou num momento complicado, mas pretendo ir voltando aos poucos! O post de hoje é sobre os contos A Terceira Margem do Rio e O Espelho de Guimarães Rosa, presentes no livro Primeiras Estórias, que serão cobrados na primeira fase do 1º Exame de Qualificação do Vestibular da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), no domingo. Apesar da prática ser comum nos vestibulares paulistas, há muito tempo isso não acontecia em uma prova para uma universidade no Rio. A lista traz ainda outros livros que serão cobrados em outras etapas, de autores como Clarice e Saramago. Então fica aqui uma ajudinha 😉

O conto A Terceira Margem do Rio (leia completo aqui) conta a história de uma família separada por um rio. O narrador é um dos filhos, não são apresentados os nomes dos personagens, e ele conta como um dia, misteriosamente, seu pai encomendou uma canoa e partiu nela sem explicar nada a ninguém. Na verdade, o pai passa a habitar o rio, que corre próximo a casa, subindo e descendo sem jamais colocar o pé em terra novamente. O filho ainda conta como se portaram os outros membros da família, a dúvida sobre a loucura ou lucidez, como ele furtava para alimentar o pai e porque acabou ficando para trás para cuidar dele a distância. E até a dúvida de qual seu papel nisso e se deveria assumir seu lugar.

Nosso pai não voltou. Ele não tinha ido a nenhuma parte. Só executava a invenção de se permanecer naqueles espaços do rio, de meio a meio, sempre dentro da canoa, para dela não saltar, nunca mais.

Já O Espelho (conto completo aqui) é um conto bem mais complexo, o seu começo causa até um estranhamento no leitor. O narrador, sobre o qual sabemos muito pouco (também sobre o lugar que ele vive não se sabe nada), convida o leitor a “seguir-lo” e saber sobre uma “experiência” que ele passou. Dessa forma, se comunica diretamente com o leitor. E começa a indagar se o que vimos no espelho pode ser real, ou ao menos próximo do real, já que nem mesmo nossos olhos são confiáveis. O autor mistura termos técnicos com explicações simples.

Se quer seguir-me, narro-lhe; não uma aventura, mas experiência, a que me induziram, alternadamente, séries de raciocínios e intuições. Tomou-me tempo, desânimos, esforços. Dela me prezo, sem vangloriar-me. Surpreendo-me, porém, um tanto à-parte de todos, penetrando conhecimento que os outros ainda ignoram. O senhor, por exemplo, que sabe e estuda, suponho nem tenha ideia do que seja na verdade — um espelho? Demais, decerto, das noções de física, com que se familiarizou, as leis da óptica. Reporto-me ao transcendente. Tudo, aliás, é a ponta de um mistério. Inclusive, os fatos. Ou a ausência deles. Duvida? Quando nada acontece, há um milagre que não estamos vendo.

O narrador não acredita em superstições, mas um dia viu no espelho uma figura que o assustou e aterrorizou, e para sua surpresa era ele mesmo. Assim, ele passou a buscar essa imagem nos diversos espelhos e nas diversas posições, chegando até a perder o próprio reflexo. Uma grande analogia sobre o que pensamos sobre nós mesmos e como chegar a um conhecimento profundo da própria alma, a cada passo de sua busca as máscaras vão caindo até sobrar

Próximas provas da UERJ em 2017:

– 2º Exame de Qualificação: A hora da estrela, de Clarice Lispector;

– Exame Discursivo (Prova de Língua Portuguesa Instrumental): Dom Casmurro, de Machado de Assis;

– Exame Discursivo (Prova específica de Língua Portuguesa e Literaturas): Morte e vida severina, de João Cabral de Melo Neto, e Ensaio sobre a cegueira, de José Saramago;

Questões de vestibular (respostas no final do post)

(UFRN-RN) O fragmento textual que segue, retirado da narrativa A terceira margem do rio, de João Guimarães Rosa, servirá de base para esta questão..

Sou homem de tristes palavras. De que era que eu tinha tanta, tanta culpa? Se o meu pai, sempre fazendo ausência: e o rio-rio-rio — o rio — pondo perpétuo [grifo nosso]. Eu sofria já o começo da velhice — esta vida era só o demoramento. Eu mesmo tinha achaques, ânsias, cá de baixo, cansaços, perrenguice de reumatismo. E ele? Por quê? Devia de padecer demais. De tão idoso, não ia, mais dia menos dia, fraquejar o vigor, deixar que a canoa emborcasse, ou que bubuiasse sem pulso, na levada do rio, para se despenhar horas abaixo, em tororoma e no tombo da cachoeira, brava, com o fervimento e morte. Apertava o coração. Ele estava lá, sem a minha tranqüilidade. Sou o culpado do que nem sei, de dor em aberto, no meu foro. Soubesse — se as coisas fossem outras. E fui tomando idéia.
ROSA, João Guimarães. Primeiras estórias. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1976.

No quadro do Modernismo literário no Brasil, a obra de Guimarães Rosa destaca-se pela inventividade da criação estética.
Considerando-se o fragmento em análise, essa inventividade da narrativa roseana pode ser constatada através do(a):

  • (A) recriação do mundo sertanejo pela linguagem, a partir da apropriação de recursos da oralidade.
  • (B) aproveitamento de elementos pitorescos da cultura regional que tematizam a visão de mundo simplista do homem sertanejo.
  • (C) resgate de histórias que procedem do universo popular, contadas de modo original, opondo realidade e fantasia.
  • (D) sondagem da natureza universal da existência humana, através de referência a aspectos da religiosidade popular.
  • E) Todas as afirmativas são corretas.

o-espelho

Com relação a leitura do texto acima e do resumo do conto O espelho, de Guimarães Rosa, assinale a alternativa incorreta

a) a partir da posição do narrador, no texto, infere-se que a superstição pode ser um ponto de partida para estudos.
b) Em “A alma do espelho – anote-a – esplêndida metáfora.” (linha 4), se os travessões forem substituídos por vírgulas, o sentido original da oração não sofre alteração e ela ainda continua dentro do padrão formal de escrita.
c) O autor procura atribuir ao espelho características enigmáticas, valendo-se da escolha semântica de vocábulos e de expressões.
d) Do período “serviam-se deles, como da bola de cristal, vislumbrando em seu campo esboços de futuros fatos, não será porque, através dos espelhos, parece que o tempo muda de direção e de velocidade?” (linhas 8, 9 e 10) pode-se inferir uma ligação à magia, aos mistérios representados pelo espelho.
e) Na oração “O espelho inspirava receio supersticioso aos primitivos” (linhas 1 e 2), a expressão destacada, sintaticamente, classifica-se como complemento nominal.

prova questão

Considere as seguintes afirmações sobre “O Espelho”, conto de Guimarães Rosa.

I – Ele aborda o tema do duplo ao colocar como protagonista um personagem cindido entre a aparência externa e a natureza íntima.
II – Ele sublinha a rejeição da máscara, simbolizada pela “feiúra” projetada no espelho, e a necessidade de busca do autêntico Eu.
III – Nele, o renascer do protagonista decorre de sua escolha pela solidão e de sua aceitação do sofrimento.

Quais estão corretas?
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas I e III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.

Gabarito: A, E, B, E

Publicado em Dicas, Outros

[BEDA] O que tem na prateleira? [Ingleses e outros]

Oi pessoal! BEDA quase chegando ao fim, hoje encerramos o O que tem na prateleira?, tá na hora de mostrar os últimos cantinhos e livros.

N18197980_1476624295744886_2122644767_nesse nicho estou deixando espaço para os autores ingleses, quero ter outros livros do Dickens, Jane Austen… por isso posso deixar espaço aqui para depois. Esse nicho também é complicado que muitos livros não cabem pela altura. Estão aqui:

->O roxinho é A Abadia de Northanger da Jane Austen aí também está Orgulho e Preconceito (meu favorito dela – resenha). Já li outros da autora e gosto muito.

-> Dois livros do Bukowski: Misto-quente (que já li e é bem ácido – resenha) e Ao sul de lugar nenhum que ainda não li.

->A Utopia de Thomas Mann (ainda não li) e duas peças de Shakespeare  (quero ter as outras um dia) que gosto muito: Antônio e Cleópatra e o Mercador de Veneza.

-> O Morro dos Ventos Uivantes (resenha) é um livro muito interessante, com personagens que a gente ama e odeia ao mesmo tempo, da Emily Brontë. Ainda quero ler os livros escritos por suas irmãs, principalmente Jane Eyre.

-> A edição mais bonita desse cantinho, com certeza é a de David Coperfild do Charles Dickens, ainda não li, mas dele já li Grandes Esperanças (resenha) e é um livro incrível.

18197306_1476624232411559_1495095529_n

Em cima da mesa do computador estão os livros que não se encaixam em outro lugar, ou eu ainda não li e não sei se é bom, ou estou lendo também. É a parte mais misturada. Eu fiz dois apoios para eles ficarem em pé e ensinei como fazer nesse post (aqui). Temos aqui:

-> Os livros do John Green, eu mesma fiz um box para eles com a caixa que ganhei no lançamento do filme Cidades de Papel. Dentro estão O Teorema Katherine, Deixe a neve cair (dele com outras duas autoras), Quem é você, Alasca?, A culpa é das estrelas e Cidades de Papel. Os que mais gosto são A culpa e Alasca, o que menos gosto Cidades (apesar do filme ser bem legal).

-> A graça da coisa da Martha Medeiros, é um livro de crônicas que ainda estou lendo.

-> Cela sem portas que deveria estar na parte policial do Marcel Trigueiro (corrigirei), uma ótima dica para quem quer ler mais autores nacionais (resenha).

-> A trilogia Cinquenta Tons de Cinza (todo mundo tem direito de ler umas  bobeiras às vezes hahah) da E.L. James

-> O azarão do Markus Zusak que não gostei (nem li as continuações da trilogia) e Eu sou o mensageiro que é dele também e amo.

Sinopse: Ed Kennedy leva uma vida medíocre, sem arroubos. Trabalha, joga cartas com cúmplices do tédio, apaixona-se por uma amiga que dorme com todos os vizinhos do subúrbio e divide apartamento com um cão velho. O pai alcoólatra morreu há pouco; a mãe parece desprezá-lo. Certo dia, ele impede um assalto a banco e é celebrizado pela mídia. O ato heróico tem conseqüência. Logo depois, Ed recebe enigmáticas cartas de baralho pelo correio: uma seqüência de ases de ouros, paus, espadas, copas, cada qual contendo uma série de endereços ou charadas a serem decifradas. Após certa hesitação, rende-se ao desafio. Misteriosamente levado ao encontro de pessoas em dificuldades, devassa dramas íntimos que podem ser resolvidos por ele.

-> O Extraordinário (quero ler logo antes que o filme saia)

> A vida do livreiro A.J. Fliker que é uma fofura de história (amei) da Gabrielle Zevin (resenha).

-> Muito prazer, eu sou a morte do Jorge Oliveira recebi em parceria com a Chiado (preciso ler logo).

-> Outro dia que eu ganhei num evento da Record e preciso comprar para ter os dois e aí sim ler o Todo Dia que vem primeiro nessa duologia do David Levithan.

-> Resgate de Amor de Carlos Augusto Segatto é um livro infanto-juvenil bem bacana que mistura romance policial com uma história de amor, li tem muitos anos.

-> Por um fio do Drauzio Varela que ganhei num amigo oculto e nunca li (preciso ler).

-> O leitor do trem das 6h27 de Jean-Paul Didierlaurent é uma história muito fofa também gostei (resenha).

18216972_1476623502411632_1085062381_nNesse outro apoio temos:

-> Um dia do David NIicholls (que não curti muito),

-> A garota que você deixou para trás da Jojo Moyes (ainda não li) e Como eu era antes de você (que amei).

-> Uma longa jornada do Nicholas Sparks, que lerei em breve para ver se gosto, apesar de ter certo preconceito (foi presente).

-> Outros livros que ganhei da Record e sei pouco sobre: O que fez minha melhor amiga (Lucy Dawson), Como dizer adeus em robô (Natalie Standiford). E Homens, Mulheres e Crianças de Chad Kultgen (que já me falaram muito bem do filme).

-> Um certo verão na Sicília (Marilena de Blasi), li e acho que gostei na época, apesar de não me lembrar muito bem.

-> Livros da Hoo editora que amei (LGBT): O livro das coisas que nunca aconteceram (Ana Luiza Savioli – resenha), Volto quando puder (Isa Próspero e Márcia Oliveira – resenha), Torta de Climão (HQ de Kris Barz).

-> Outros dois livros da Chiado que ainda não li: A bela e os lobos (Alexa L.D.) e 9 e um Quarto (João Gonçalvez).

Confira as prateleiras anteriores: Fantasia, Romances Históricos, Suspense e Clássicos e Contemporâneos.

Beijos!

Publicado em Dicas

[BEDA] O que tem na prateleira? [4-Clássicos e Contemporâneos]

18136729_1471947982879184_1330403502_nNo O que tem na prateleira de hoje um cantinho bem especial, que alguns de vocês já devem ter visto pedaços porque aparece atrás de mim em vários vídeos do canal. 🙂 Eu vivo mudando a organização dessa parte, mas a ideia agora é colocar clássicos mundiais em cima.  E embaixo é dividido entre contemporâneos que gosto muito e livros nacionais e latinos. (Costumo por os que eu já li e gostei). Não tenho muito espaço então é o que consigo! hahah Depois me contem como vocês arrumam esses livros.

Os primeiros são os da coleção18109629_1471947999545849_1634232757_nLivro das Mil e Uma Noites” da Biblioteca Azul. Ainda está faltando um volume. Comecei a ler o primiro e parei, estava gostando aí resolvi completar a coleção primeiro. Depois estão os de Cervantes Novelas Exemplares e O Engenhoso Fidalgo Dom Quixote de La Mancha (volume único com os dois livros). Esses estou lendo e fazendo o projeto Conhecendo Cervantes. Ao lado a biografia sobre o autor escrita por Jean Canavaggio.

Na sequência estão os dois livros do Fiódor Dostoiévski que tenho: Crime e Castigo (acabei de ganhar *.*, obrigada Fernando!) e Os irmãos Karmazov. Ainda não li nem um nem outro, mas não vejo a hora. E do lado os dois que tenho do Victor Hugo: O Corcunda de Notre Dame (incrível – resenha) e Os miseráveis (pretendo ler esse ano). Eu quero mais livros dele, já prevejo outras arrumações, porque gosto de colocar os livros do mesmo autor juntos.

18136574_1471947986212517_691990919_n.jpgDepois vem o livro de outro russo, Tolstoi, ainda não li mas só escuto maravilhas sobre Guerra e Paz  outros livros do autor. Querendo o Anna Karenina. Ao lado está Ilusões Perdidas do Balzac. Eu deveria mudar a ordem  deixar os franceses juntos.

Agora chegando aos latino americanos temos O jogo da amarelinha do Júlio Cortazar (comecei a ler uma vez e parei, preciso de mais tempo). Depois os dois que tenho do Gabriel García Marquez, quero muito ter todos os dele, porque ele é ele. Aí estão Memórias de minhas putas tristes e Crônica de uma morte anunciada, também já li o perfeito Cem anos de solidão. Ao lado está Herói Discreto do Mario Vargas Llosa (também gostei muito). Outro autor clássico que está aí é Borges com o livro de contos O livro de areia, também tenho o Ficção (tá emprestado), gostaria de completar essa coleção também. E o fininho escondidinho se chama Pedro Páramo do Ruan Rulfo, esses dois últimos autores são pioneiros no realismo fantástico.

18136663_1471947942879188_68849952_nKhaled Hosseine é um autor e médico afegão, e seus livros são incríveis. Tenho e li os 3: O caçador de pipas, A cidade do sol, O silêncio das montanhas. Ao lado estão os meus livros do Mia Couto (outro autor favorito): Terra sonâmbula (li e amei), A canção da leoa (idem), Cada homem é uma raça e O Outro pé da sereia que ainda não li, e por último os dois primeiros da trilogia As areias do imperador (o terceiro deve sair esse ano, eu li o primeiro, confira a resenha).  Coladinho e na mesma mágica das palavras em que parece que você está lendo poesia: Valter Hugo Mãe. Só tenho um livro dele: Homens Imprudentemente Poéticos (resenha). Mas já li outros: A desumanização, A máquina d fazer espanhóis e O filho de mil homens (as resenhas estão no blog). Perfeitos.

Nessa parte também estão alguns livros que falam de sociedade, política, preconceito… O da Ingrid Betancourt, NÃO HÁ SILÊNCIO QUE NÃO TERMINE – Meus anos de cativeiro na selva colombiana, contam o período que ela (senadora na época) ficou sequestrada pelas Farcs. Outra mulher forte está ao lado, uma jovem chamada Malala conta como foi o tentado do Talibã que sofreu por falar do direito feminino de estudar no Paquistão no livro Eu sou Malala. Com o tema relacionado está a HQ O Árabe do Futuro (que preciso ler). Já falei bastante de Chimamanda aqui e não vou ficar me repetindo, leiam Americanah (resenha) e todos os outros dela!

Tem um livro da J.K. Rowling perdido aí no meio? Não é que tem sim! Esse livro, Morte Súbita, é muito diferente dos outros que ela já escreveu, tem uma crítica social potente e por isso está nessa prateleira também. Já O tempo entre costuras de Maria Dueñas é um romance bem bacana, gostei bastante e18155432_1471947932879189_1055631986_n vi uma continuação em algum lugar.  A vida breve de Juan Carlos Onetti ainda não li, tô na dívida porque está na prateleira há tempos. E esse, Sangue no olho, da Lina Meruane me deu aquele baita susto, gente que livro é esse? Arraso! (veja na resenha).

Agora os autores brasileiros que estão aí: o primeiro é Esdras Pereira, recebi esse livro, Cicatriz na Parede, do autor e gostei, romance histórico bem construído. Ao lado Fim da Fernanda Torres, ela mesma a atriz, mostra que ela tem uma escrita bacana e eu aprovei a história bem carioca (saiba mais). Outros dois livros que recebi: Enfynie da Patrícia Fagundes, uma fantasia bem bacana (devia estar na prateleira de fantasia, papei mosca) e O inventário das coisas ausentes da Carola Saavedra (livrinho desafiador – resenha).18136805_1471947926212523_523446467_n

O Casamento do Nelson Rodrigues será minha primeira leitura do autor, só escuto maravilhas sobre ele. Do lado estão duas edições de Vidas Secas do Graciliano Ramos, a ilustrada e a comum (falei sobre as duas nesse post). Junto também está o livro de contos do filho dele Ricardo Ramos, Entre a seca e a garoa (ainda não li). O da Inês Pedrosa e de Raquel de Queiroz ainda não li, vieram em uma doação (adoro). O Cortiço de Aluízio de Azevedo e Noite na Taverna de Àlvares de Azevedo são dois clássicos que estou devendo, deveria ter lido na escola. As Meninas da Lygia Fagundes Telles, essa senhorinha é demais, leiam.

Eu me chamo Antônio do Pedro Gabriel é um dos poucos livros que já pensei em desmembrar para fazer uma colagem, um quadro…porque ele é tão legal que dá vontade de expor (conheça). E da Clarice Lispector (conheça o projeto Conhecendo Clarice), eu só tenho Laços de Família e A hora da estrela (dois livros incríveis). E ao lado está a biografia sobre ela, escrita por Benjamin Moser: Clarice, (resenha) .

Dois Irmãos do Milton Hatoum é incrível, me deu mais vontade de ler depois que vi e gostei de trechos da minissérie da Globo, daí não resisti e comprei. Em breve faço resenha sobre ele. Os últimos livros são bem diferentes, Seu Moço da Patrícia Pirota traz recados que você às vezes precisa ouvir (quase uma poesia – resenha), Cartas de amor da Patrícia C. Grade, traz cartas bem diferentes e que envolvem muita emoção (nem todas são boas) e Cartas do Coração da Elisabeth Orsini, eu conheci no Ensino Médio quando a autora veio a escola, ela reuniu cartas muito bacanas de várias personalidades.

Espero que tenham gostado, desculpa pelo post enorme! Se quiserem saber mais alguma coisa sobre um dos livros só perguntar nos comentários. Beijos

Veja também:

O que tem na prateleira: Romances históricos, Fantasia, Suspense.

Publicado em Dicas

[BEDA] Flip – Festa Literária Internacional de Paraty

flip-logoOi pessoal! Hoje resolvi falar um pouco da Flip, um evento literário que morro de vontade de ir (espero concretizar isso esse ano), que acontece em Paraty aqui no RJ desde 2003. Lá autores nacionais e internacionais se reúnem em mesas de debates sobre temas variados que envolvem várias formas culturais. Esse ano o evento acontece entre 26 e 30 de julho. “Flipinha, FlipZona e FlipMais compõem o programa da festa, com atividades que combinam literatura infantojuvenil, performance, debates, artes cênicas e visuais”.

26865365331-86.png

Toda edição faz uma homenagem á algum autor brasileiro, e esse ano será sobre Lima Barreto (saiba mais sobre ele). Me sinto numa dívida imensa por não ter lido nada dele ainda, mas pretendo mudar isso em breve. O ator Lázaro Ramos lerá trechos de suas obras, durante uma apresentação ilustrada pela historiadora Lilia Schwarcz. “Conhecido por interpretar personagens marcados por suas condições sociais e raciais, como Zumbi do Palmares e Madame Satã, Lázaro Ramos também lançará no festa o seu livro “Na minha pele”, no qual aborda a sua trajetória como ator negro. Lilia Schwarcz levará a Paraty seu novo olhar sobre o autor homenageado, resultado de pesquisa de mais de uma década que gerou a biografia “Lima Barreto, triste visionário”, que será lançada em junho” (O Globo).

Aluns livros importantes do autor:

TRISTE_FIM_DE_POLICARPO_QUARESMA_1255287779B

Sinopse: Para Major Quaresma, a Pátria é um ideal que está acima de tudo. Visionário por excelência, suas idéias colocam-no em várias situações embaraçosas e levam-no até a ser internado em um manicômio. Tímido, discreto, ingênuo, é também uma palha de pureza a navegar num oceano de podridão. Este é um livro escrito com todos os nervos, mas principalmente com o coração, e que se destina a quantos tenham orgulho de ser brasileiros.

CLARA_DOS_ANJOS_1231451190B

Sinopse: “Em Clara dos Anjos relata-se a estória de uma pobre mulata, filha de um carteiro de subúrbio, que apesar das cautelas excessivas da família, é iludida, seduzida e, como tantas outras, desprezada, enfim, por um rapaz de condição social menos humilde do que a sua. É uma estória onde se tenta pintar em cores ásperas o drama de tantas outras raparigas da mesma cor e do mesmo ambiente. O romancista procurou fazer de sua personagem uma figura apagada, de natureza “amorfa e pastosa”, como se nela quisesse resumir a fatalidade que persegue tantas criaturas de sua casta: “A priori”, diz, “estão condenadas, e tudo e todos parecem condenar os seus esforços e os dos seus para elevar a sua condição moral e social.” É claro que os traços singulares, capazes de formar um verdadeiro “caráter” romanesco, dando-lhe relevo próprio e nitidez hão de esbater-se aqui para melhor se ajustarem à regra genérica. E Clara dos Anjos torna-se, assim, menos uma personagem do que um argumento vivo e um elemento para a denúncia.”

CONTOS_COMPLETOS_DE_LIMA_BARRETO_1289603834BSinopse: Com organização, introdução e notas de Lilia Moritz Schwarcz, esta edição reúne os 149 contos do autor, resgatados por meio de pesquisas em manuscritos, edições originais, jornais e revistas da época. Tanto os contos menos conhecidos quanto alguns mais famosos, como “A Nova Califórnia” e “O homem que sabia javanês”, ressaltam o aspecto autobiográfico que, segundo a organizadora, perpassa toda a carreira de Lima Barreto.

Autores confirmados

1492471676300Uma das atrações já confirmadas é a presença da autora Scholastique Mukasonga. Ela nasceu em Ruanda e é radicada na França. “Mukasonga terá os livros Nossa Senhora do Nilo e A Mulher dos Pés Descalços publicados no País, pela editora Nós, com tradução da poeta Marília Garcia” (Fonte: Estadão).

marlon-e1490708859364

Outra presença confirmada é a do autor jamaicano Marlon James, vencedor do Man Booker Prize em 2015 pelo livro A Brief History of Seven Killings. O livro de Marlon James, no Brasil, vai se chamar Breve História de Sete Assassinatos e será publicado pela Intrínseca. A obra é de ficção mas fala sobre o ataque a Bob Marley em  1976 (saiba mais).