Publicado em Eu li

{euLi} Origem – Dan Brown

downloadDe onde viemos? Para onde vamos? Robert Langdon, o famoso professor de Simbologia de Harvard, chega ao ultramoderno Museu Guggenheim de Bilbao para assistir a uma apresentação sobre uma grande descoberta que promete “mudar para sempre o papel da ciência”.
O anfitrião da noite é o futurólogo bilionário Edmond Kirsch, de 40 anos, que se tornou conhecido mundialmente por suas previsões audaciosas e invenções de alta tecnologia. Um dos primeiros alunos de Langdon em Harvard, há 20 anos, agora ele está prestes a revelar uma incrível revolução no conhecimento… algo que vai responder a duas perguntas fundamentais da existência humana. Os convidados ficam hipnotizados pela apresentação, mas Langdon logo percebe que ela será muito mais controversa do que poderia imaginar. De repente, a noite meticulosamente orquestrada se transforma em um caos, e a preciosa descoberta de Kirsch corre o risco de ser perdida para sempre.
Diante de uma ameaça iminente, Langdon tenta uma fuga desesperada de Bilbao ao lado de Ambra Vidal, a elegante diretora do museu que trabalhou na montagem do evento. Juntos seguem para Barcelona à procura de uma senha que ajudará a desvendar o segredo de Edmond Kirsch.

Resolvi colocar o que achei em tópicos para não me estender muito haha

  • Dan Brown mais uma vez me fez querer correr para o país que ele está falando e querer ver tudo.
  • Mas repete fórmulas que me agradaram na adolescência, mas que já deu. Deixou a trama cansativa e repetitiva. O corre corre e as partes de ação são os mais chatos de todos os livros.
  • Assim como a tensão sexual entre Robert e Ambra (a diretora do museu e também noiva do príncipe da Espanha). Temos de novo a mulher super inteligente que acompanha e ajuda, rolando um flerte mesmo que de leve. Achei que já tínhamos passado dessa fase Dan!
  • Spoiler: Tava tão na cara que o Edmond ia morrer no começo em quanto falava que cheguei a rir. Nem sei se é spoiler, porque é óbvio demais, e com isso o mistério na verdade virou uma enrolação para a gente saber suas últimas palavras.
  • Não curti o vilão, não me convenceu e também é repetitivo.
  • Não achei a revelação tão quebra de paradigmas assim, achei um ponto de vista interessante. Uma boa questão para refletir, mas bem longe do que o personagem promete de abalar as estruturas da fé. Pior que já esperava isso.
  • Muito bom como o autor traz a história para o nosso mundo atual super conectado. Dessa vez não temos Robert e as outras pessoas agindo em segredo o tempo todo, pelo contrário, tem sempre alguém jogando tudo na internet e especulando sobre o assunto.
  • O uso da inteligência artificial personificado no computador Wilston que ajuda Robert e Ambra em quase tudo é a parte mais legal do livro. E o final relacionado a isso também, melhor parte! Foi o que para mim deu uma salvadinha de leve na história.
  • Gostaria que o autor se aprofundasse mais no personagem principal, ele continua exatamente a mesma coisa do primeiro livro, zero informações novas. Nem parece que o Robert tem vida própria, parece que ele fica congelado na vida até algo bizarro acontecer com ele.

Quer mais da minha opinião? Assista o vídeo 🙂

Anúncios
Publicado em Projetos de Leitura, Sorteios

Projeto Uns e Outros | Convite + Sorteio

178e8db0-e5ea-49e7-b04b-2424a45073d3

Esse ano nada de metas mas muitos projetinhos. Hoje venho convidar você a fazer parte do Projeto Uns e Outros, um plano de leitura idealizado pelo Ponto para Ler em parceria comigo e com os blogs Leitora Sempre e Jeniffer Geraldine. Para participar do projeto conosco basta ter em mãos o livro Uns e Outros, que foi editado com exclusividade pela TAG – Experiências Literárias em comemoração ao aniversário de três anos do Clube de Assinaturas em julho do ano passado (sorteio no final do post o/). Ano passado eu já tinha iniciado uma ideia parecida, mas sem cronograma e acabei fazendo resenha de um só dos contos (o do Hemingway, clique aqui para ver). É claro que uma parte dos contos que são clássicos vocês encontram em outros lugares também, as releituras que são exclusivas. Dá uma espiadinha no kit:

Você pode se associar e ainda comprar os kits antigos (enquanto durarem os estoques). Vale a pena! 

O livro

 O livro Uns e Outros é uma seleção de contos espelhados onde nove escritores brasileiros e um português foram convidados a fazer releituras de contos escritos por outros dez escritores internacionalmente conhecidos. Os contos originais são de nomes como Machado de Assis, James Joyce, Ernest Hemingway e vários outros. Alguns dos nomes brazucas também são bem conhecidos como Maria Valéria Rezende e Cristóvão Tezza, mas você terá uma boa oportunidade de conhecer outros nomes caso não seja tão ligado a literatura nacional contemporânea.

 Leitura

Cada blog terá uma ordem de leitura própria que foi determinada em um sorteio que fizemos ainda no ano passado. (A Ana do Ponto elaborou tudo com muito carinho <3) Isso significa que a cada semana vocês verão postagens sobre contos diferentes em cada página, eventualmente os textos poderão se repetir, mas nada que torne a experiência repetitiva. Por conta desse sorteio nenhum blog vai ler os contos na ordem certinha do livro então prepare-se para passear por cada página dele sem medo de revisitá-las ao longo do projeto. Aqui as postagens do projeto sairão aos sábados e podem variar conforme for a minha experiência com o conto. A ordem de leitura do Eu li será:

  1. Marriage à la mode (Katherine Mansfield) + A rainha das fadas (Ivana Arruda Leite)  – 20/01 (leia)
  2. Um homem célebre (Machado de Assis) + Um homem célebre (José Luís Peixoto) – 27/01
  3. Negrinha (Monteiro Lobato) + Negrinha! Negrinha! Negrinha! (Ana Maria Gonçalves) – 03/02
  4. O colar (Guy de Maupassant) + Um simples engano (Maria Valéria Rezende) – 10/02
  5. Eveline (James Joyce) + A morte da mãe (Beatriz Bracher) – 17/02
  6. Os desastres de Sofia (Clarice Lispector) + Simplício (Eliane Brum) – 24/02
  7. O fim de algo (Ernest Hemingway) + Início de alguma coisa (Luiz Antônio de Assis Brasil) – Já fizemos, só conferir aqui!
  8. Teoria do Medalhão (Machado de Assis) + O futuro político (Milton Hatoum)  – 10/03
  9. Depois do baile (Liev Tolstói) + O herói da sombra (Cristóvão Tezza) – 17/03
  10. Pai contra mãe (Machado de Assis) + Pipa Sande (Paulo Lins) – 24/03

Sorteio

Agora vem a melhor parte! A TAG foi super fofa e nos enviou um kit como o do vídeo para sorteio e você já pode começar o ano gastando sua sorte aqui com a gente. O kit da Tag vem com a revista para apoiar a leitura, o livro Uns e Outros e essa caixinha de ímãs, os brancos formam o poema Espelho e os pretos são para você se aventurar e criar um poema próprio misturando as duas cores. Para participar é só seguir as regras:

  1. Seguir a página do Ponto para Ler no Facebook;
  2. Seguir o canal do Eu Li ou Vou Ler no Youtube;
  3. Seguir o canal da Jeniffer Geraldine no Youtube;
  4. Seguir a página do Leitora Sempre no Facebook;
  5. Preencher o formulário;
  6. Morar em território nacional;
  7. O envio do prêmio será feito até 15 dias após a divulgação do resultado;
  8. Não nos responsabilizamos por extravio dos Correios.

Receberemos respostas até as 23h59 do dia 11/02 e o resultado do sorteio será divulgado no dia 12/02 (no site Ponto para ler e também no seu stories no instagram), estaremos na quarta semana de leitura então o ganhador ainda poderá acompanhar a metade final do projeto com o livro em mãos! Vem ler e participar com a gente! Não deixe de comentar o que achou de cada conto também 😀

Já sei que a experiência vai ser ótima! :*

Publicado em Eu li

{euLi} As três Marias – Raquel de Queiroz

AS_TRES_MARIAS_151006259712483SK1510062597BSinopse: A história tem início nos pátios e salas de aula de um colégio interno dirigido por freiras: Maria Augusta, Maria da Glória e Maria José são amigas inseparáveis que ganham de seus colegas e professores o apelido de “as três Marias”. À noite, deitadas na grama e olhando para o céu, as meninas se reconhecem na constelação com a qual dividem o nome. Com o passar do tempo, Maria da Glória se transforma em uma dedicada mãe de família e Maria José se entrega por completo à religião. Guta, por outro lado, não se sente capaz de seguir os passos de nenhuma de suas velhas companheiras. Apesar de sua formação conservadora e rígida, ela sempre desejou ir muito além dos portões e muros daquele internato. Seus instintos a instigavam a procurar e explorar novos mundos. Assim, Guta termina a colégio e corre em busca de sua independência. A realidade, no entanto, se mostra muito diferente daquilo que estava descrito nos romances açucarados e livros de poesia que passavam de mão em mão entre as adolescentes sonhadoras. Guta descobre o amor, mas através dele é também apresentada à desilusão e à morte. “As Três Marias”, publicado originalmente em 1939, conquistou o cobiçado prêmio da Sociedade Felipe de Oliveira e, décadas depois, foi adaptado como uma novela para a televisão.

As Três Marias foi o quarto romance da escritora cearense Rachel de Queiroz e meu primeiro contato com sua obra, posso dizer que fui cativada. Uma história que nos fala tanto mesmo sem se fechar completamente. Muitas mulheres, com facetas diferentes e o espírito livre da principal personagem e narradora Guta.

Em um internato em que a divisão das classes sociais também existe como do lado de fora, as meninas lidam com isso de formas diferentes. O “não poder se misturar” com as meninas do orfanato, o ver amigas que vem de lares pouco ortodoxos sofrerem injustiças e muitas outras situações como a tentativa de fuga faz parte dessas lembranças quase autobiográficas da autora que também viveu em um internato.

O futuro incerto e muitas vezes doloroso da personagem Guta mostra uma personagem que não tem medo de se aventurar, ou que até tem mas que busca sua própria história. Ela não aceita bem a vida como dona de casa junto à madrasta e o pai, acaba trabalhando como datilógrafa e conhecendo o amor por conta própria, numa história bem real.

A escrita da autora é fantástica, apesar da linguagem ser simples e direta é de uma leveza impressionante. É impossível não falar dela sem dizer que foi a primeira mulher a ser uma imortal da Academia Brasileira de Letras, feito que só aconteceu na década de 70! Foi ela a primeira a quebrar o tabu de que lá era só para homens, e não foi a primeira a tentar. O preconceito com a literatura feita por mulheres era tão evidente que Graciliano Ramos disse que seu primeiro livro, O Quinze, devia ter sido feito por um homem usando um pseudônimo. Outro livro que já entrou para a minha listinha, e que ela escreveu quando tinha apenas 19 anos.

rachel-de-queiroz-pioneira Quando se trata de pioneirismo, Rachel de Queiroz deve ser lembrada como uma das mais relevantes figuras do universo literário brasileiro. Em uma época de rejeição à produção intelectual e criativa oriunda de uma mulher – no seu caso, para agravar, uma mulher do Nordeste –, ela trouxe novas perspectivas sociais, de gênero e abriu portas para que outras pudessem seguir seus passos. Foi uma das primeiras mulheres cronistas, a única aceita no movimento modernista brasileiro e a primeira a ocupar uma cadeira da Academia Brasileira de Letras. Sua história de vida é tão rica quanto seus romances, notoriamente inspirados nas experiências particulares de uma combativa mulher sertaneja. (Tag Et Cetera) Continue lendo.