Publicado em Contos, Eu li

{Projeto Uns e Outros} Teoria do Medalhão – Machado de Assis + O futuro político – Milton Hatoum

178e8db0-e5ea-49e7-b04b-2424a45073d3Estou atrasada no projeto mas voltei (entenda sobre o projeto aqui)! Dessa vez vou falar sobre um par de contos com uma grande crítica social, cada um a sua maneira. No de Machado, Teoria do Medalhão, temos quase um monólogo do pai para o filho, que cansa em alguns momentos mas se você ficar atento aos absurdos que o pai fala dá até vontade de rir. E no conto de Hatoum, a releitura, temos um debate acalorado em que o pai tem propósitos bem parecidos.

O pai de Teoria do Medalhão aproveita o aniversário de 21 anos do filho para explicar o que ele deve fazer para ser alguém importante na vida, um “Medalhão”. Perdi um tempinho confusa tentando entender o que era ser um Medalhão, mais aos poucos a ficha cai, ele usa o termo para definir uma pessoa respeitada na sociedade (rica e etc.). As ideias são bem retrógradas: não falar de mais, não expor suas próprias ideias, não ter uma opinião própria, se cercar das pessoas importantes e por aí vai. O filho quase não fala nada, só acha a missão difícil. É quase cômico alguns argumentos, uma excelente crítica para a época, e para a nossa também, e foi isso que Milton Hatoum enxergou para fazer sua releitura.

(…) proíbo-te que chegues a outras conclusões que não sejam as já achatadas por outros. Foge a tudo que possa cheirar a reflexão, originalidade, etc., etc. (Teoria do medalhão – Machado de Assis)

No conto O futuro político, que se passa nos dias de hoje, pai e filho tem uma discussão acalorada, o jovem dessa vez claramente não quer seguir os passos do pai. O pai é um advogado criminalista que defende políticos corruptos, acredita que tudo é normal e justificável, não tem lições muito diferentes do do primeiro conto, que é até citado. Isso aparentemente ocorre depois de uma festa de formatura em que o filho fez um discurso acalorado na frente dos convidados importantes e mafiosos do pai, e mais revelações surgem durante esse pequeno conto. Mandou bem Hatoum!

milton_hatoum

Milton Hatoum nasceu em Manaus (AM), em 1952. Foi professor de literatura na Universidade do Amazonas e na Universidade da Califórnia (Berkeley). É autor dos romances Relato de um certo Oriente, Dois irmãos (muito bom!), Cinzas do norte, Órfãos do Eldorado e do livro de contos A cidade ilhada. Em 2014, publicou a coletânea. Um solitário a espreita. Seus livros ganharam vários prêmios e foram traduzidos em quatorze idiomas. Mora em São Paulo e é cronista do caderno 2. (Fonte: Uns e Outros).

Ainda não conhece o projeto? Estou lendo em conjunto com os blogs Ponto para LerLeitora Sempre e Jeniffer Geraldine os contos do livro Uns e Outros publicado pela Tag Experiências Literárias (um clube de livros por assinatura, saiba mais clicando aqui). Os encontros trazem contos clássicos já publicados com releituras de autores de língua portuguesa, nós sorteamos a ordem e montamos um calendário para cada blog (entenda melhor sobre o projeto). Na próxima falaremos sobre os contos Depois do baile de Tolstói e O herói da sombra de Cristóvão Tezza.

Anúncios
Publicado em Eu li

{euLi} O alforje – Bahiyyih Nakhjavani

28879071_1880682825339029_463911384_oSinopse: Ao contrário do que se diz, o deserto é um território fértil. Ao menos para Bahiyyih Nakhjavani, que, a partir de uma trama complexa, faz convergir nas areias árabes um grupo de personagens que têm suas trajetórias costuradas por um misterioso alforje. Uma noiva que viaja para encontrar o futuro marido, um sacerdote em peregrinação, um beduíno de alma livre e uma escrava falacha são alguns dos retratos que a autora pinta com maestria e profundidade. Ainda que tenham origens, crenças e desejos muito diferentes, todos os viajantes terão a vida transformada pelas escrituras sagradas.

Sabe aquele livro que enche os olhos?  É esse, a tag acertou em cheio o coração de quem gosta de edições bonitas, toda trabalhadas e diferentes. Eu amei! E de vez em quando meus olhinhos são atraídos para esse livro na estante, e me deixa feliz olhar para ele. E não só pela beleza, eu fico feliz porque foi um livro que eu gostei muito de ler, sem queixas sem porém, amei.

O livro se passa a maior parte no deserto, uma caravana está indo para Meca e Medina e nesse grupo se encontram personagens de diferentes religiões, ideais, propósitos e moral. Em cada capítulo o narrador conta a história de um dos personagens, sua origem e o ponto de vista dele da situação principal. Temos um ladrão, uma noiva, uma escrava, o líder dos bandoleiros, um sacerdote, um cadáver, um cambista, um velho e um dervixe.  E o mais importante é que por mais que não concordemos com as atitudes de cada um, eles são personagens riquíssimos, profundos, em alguns trechos você fica totalmente tomado pela história, e ao ver o cenário de cada um a gente acaba relativizando um pouco sobre eles.

Li alguns comentários de que o livro é repetitivo, e discordo completamente, porque cada vez que a história se repete no capítulo é em um ângulo novo, com informações que não saberíamos se estivéssemos acompanhando outro personagem. Tudo vai ganhando novos contornos e explicações que se complementam, ou sentidos até bem contrastantes.

E o alforje? O alforje é um tipo de bolsa que vai transitar entre esses personagens, primeiro ele é roubado e depois vai mudando de mãos. O mais interessante é que o que ele traz dentro é interpretado de forma diferente por cada um e influencia nas suas decisões. A noiva por exemplo é tomada de uma forma que interfere em toda a caravana, ela é uma virgem indo para seu casamento, mas uma personagem que acredita-se ter visões premonitórias e ver anjos. E o conteúdo vai faze-la esperar algo divino e querer se purificar com mil banhos. Já outros podem querer o conteúdo por dinheiro, ou para se livrar dele. Ou nem querem mas lá aparece o alforje.

Tem passagens que são bem pesadas como a da escrava, a objetificação de alguém é bem triste e seu destino bem dolorido. O cambista também passou por muito nessa vida, acabou se transformando em um homem que quer sempre se dar bem em cima de qualquer um, mas seu fim é chocante. O capítulo do líder mostra o que um homem faz para manter seu domínio sobre os outros, e como seus princípios (mesmo que os torpes) regem sua vida.  Aos poucos as histórias vão se complementando e esses personagens diferentes acabam se encontrando e fazendo parte da história um do outro. Leiam!

Publicado em Contos, Eu li, Projetos de Leitura

{Projeto Uns e Outros} Os desastres de Sofia (Clarice Lispector) e Simplício (Eliane Brum)

178e8db0-e5ea-49e7-b04b-2424a45073d3Hoje no Projeto Uns e Outros mais dois contos espelhados: Os desastres de Sofia de Clarice Lispector e Simplício de Eliane Brum.

A primeira acredito que dispense apresentações, já posso dizer que não sou tão novata nas leituras de Clarice mas é sempre assim que me sinto, nunca sei o que esperar e sempre fico sem saber direito o que senti depois do texto, poucos são os que terminei dela com um pensamento definido.

Confira mais posts sobre livros de Clarice e sua vida clicando aqui.

Os desastre de Sofia está no livro “Felicidade Clandestina” (1971) que reúne diversos textos de Clarice Lispector que foram escritos em diferentes fases da vida da autora. Esse conto parece muito claro na forma que é narrado, mas será que entendemos mesmo os sentimentos de Sofia já que nem ela mesmo se entende?

A narradora conta uma situação de quando era criança, quando era uma menina que gostava de atrapalhar a aula do professor, falando e brincando, ela sentia a necessidade de atormenta-lo e via a raiva que causava. Uma espécie de amor inexplicável já que ela não o admirava realmente. Também sentia que não fazia nada da forma correta. Por fim, pós clímax do conto, ela analisa como os adultos na verdade são comuns e tolos, não necessariamente melhores que as crianças. E isso causa a decepção de que no futuro ela seria uma pessoa melhor só por crescer.

Preferia sua cólera antiga, que me ajudara na minha luta contra mim mesma, pois coroava de insucesso os meus métodos e talvez terminasse um dia me corrigindo: eu não queria era esse agradecimento que não só era a minha pior punição, por eu não merecê-lo, como vinha encorajar minha vida errada que eu tanto temia, viver errado me atraía.

E Eliane Brum?

Eliane fez o esperado do conto espelhado desse, dar a versão do professor. No primeiro não temos certeza do efeito causado da menina no professor, por só termos a visão dela. Já nesse aqui está a “resposta”, os calafrios, a vergonha e a quentura causada por ela e seu interesse inexplicável. O professor desse conto sabe que é pecado querer qualquer coisa com a menina mas isso não o impede de sentir o que não pode. Essa parte incomoda porque associamos logo a pedofilia, principalmente quando ele fala que ficou pensando nela enquanto dormia. ><

Mas o principal é que temos um homem atormentado, um adulto infeliz com a profissão de professor nos moldes que a vive, ele mesmo fala de como assassina o interesse dos alunos e a língua nas aulas e teme que a menina enxergue tudo dele por dentro. Sua imobilidade, de “homem-mesa”, fica evidente quando ele percebe a capacidade de correr por aí da menina, e isso de certa forma o faz querer derruba-lá.

eliane b

Nascida em 1966, em Ijuí (RS), é uma das mais premiadas jornalistas brasileiras. Escritora, repórter e documentarista, tem seis livros publicados: cinco de não ficção _ Coluna Prestes, o avesso da lenda, A vida ninguém vê, O olho da rua, A menina quebrada e Meus desacontecimentos _ e um romance, Uma duas. Também ajudou a escrever roteiros de documentários e atualmente se dedica a reportagens na Amazônia, é colunista do jornal El país. (Fonte: Uns e Outros)

Ainda não conhece o projeto? Estou lendo em conjunto com os blogs Ponto para LerLeitora Sempre e Jeniffer Geraldine os contos do livro Uns e Outros publicado pela Tag Experiências Literárias (um clube de livros por assinatura, saiba mais clicando aqui). Os encontros trazem contos clássicos já publicados com releituras de autores de língua portuguesa, nós sorteamos a ordem e montamos um calendário para cada blog (entenda melhor sobre o projeto). Sorteamos um exemplar desse livro (o kit todo da tag) e a ganhadora foi Rudynalva Correia Soares.

No próximo sábado falaremos sobre os contos Teoria do Medalhão de Machado de Assis e O futuro político de Milton Hatoum.

Publicado em Eu li

{euLi} Todo dia – David Levithan

TODO_DIA_1437347541328066SK1437347541BSinopse: Neste novo romance, David Levithan leva a criatividade a outro patamar. Seu protagonista, A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Depois de 16 anos vivendo assim, A já aprendeu a seguir as próprias regras: nunca interferir, nem se envolver. Até que uma manhã acorda no corpo de Justin e conhece sua namorada, Rhiannon. A partir desse momento, todas as suas prioridades mudam, e, conforme se envolvem mais, lutando para se reencontrarem a cada 24 horas, A e Rhiannon precisam questionar tudo em nome do amor.

Livro beeem bacana, fiquei satisfeita com a leitura que já vinha pensando em fazer há muito tempo. Fiquei esperando um pouco mais do final, mas é um livro em que o contexto que ele apresenta, mais do que o destino da situação amorosa, é o que vale a pena. E ainda bem que é assim!

O mote da história é bem criativo. Imagina não ter um corpo definido? Não ser definido e limitado por um corpo? Cada dia ser um, ter todas suas características mudadas a noite, menos a idade. Para mim o pior do quadro é não poder se afeiçoar as pessoas, por viver nessa condição de hóspede no corpo e família alheios. O livro com isso levanta questões sobre o que nos define e de como o que deveria interessar é o nosso interior, sem ser piegas. A consegue ter uma visão bem humana sobre os outros, o que nos une como iguais e o que nos faz diferentes, e como essas diferenças físicas pouco importam.

Rhiannon é uma garota cheia de qualidades presa a um relacionamento abusivo, quando A ocupa o corpo de Justin seu namorado ele logo percebe isso. A resolve dar um bom dia a Rhiannon e acaba se apaixonando por ela. Mesmo depois de visitar outros corpos ele não consegue parar de pensar nela e decide contar tudo, é claro que isso envolve um grande processo para fazer ela crer nessa história louca. E mesmo depois é bem difícil para ela. Como se relacionar com uma pessoa que vive mudando externamente? Porque para ela o exterior também importa, para quem tá de fora é bem difícil de relevar a mudança.

Há no livro também uma crítica ao fanatismo religioso, isso de crer que em tudo o demônio está envolvido e situações do gênero. A se vê envolvido em uma confusão que tem um desfecho bem surpreendente em relação ao que ele é, mas que acabou não sendo muito discutido no final do livro. O livro apesar de ser para “adolescentes” traz temas que vão além desse universo. Leiam!

O livro Outro dia é uma continuação, que na verdade é a mesma história sobre o ponto de vista da Rhiannon. Eu folheei porque tenho em casa, ganhei, mas fiquei com preguiça de ler por estarem ali os mesmos diálogos, acabar e começar aparentemente do mesmo jeito, seguir o mesmo roteirinho de situações. Não sou muito fã em ter um livro inteiro sobre outro ponto de vista, acho que acaba acrescentando pouco. Prefiro livros que intercalam no mesmo os pontos de vistas diferentes, variando pelos capítulos e mesmo assim quando tem muita coisa a acrescentar.

Em breve nos cinemas!

Publicado em Contos, Eu li

{Projeto Uns e Outros} Eveline – James Joyce) e A morte da mãe – Beatriz Bracher

178e8db0-e5ea-49e7-b04b-2424a45073d3Esses dois contos da vez do livro Uns e Outros (coletânea da Tag Experiências Literárias) não me tocaram tanto, e a releitura achei um pouco confusa apesar da proposta “diferentona” da autora. O post de hoje faz parte do Projeto Uns e outros (saiba mais).

No conto de James Joyce temos a jovem Eveline que concordou em fugir para se casar. Ela vive com o pai opressor, órfã de mãe, e trabalha duro para ajudar a manter a casa e cuidar dos irmãos. Eveline prometeu a mãe que cuidaria de tudo e isso é o que mais afeta suas atitudes e decisões. Ela também tem dois irmãos mais velhos, um falecido e Harry que trabalha viajando e decorando igrejas. A questão que não cala no conto é se ela vai partir ou ficar, a batalha entre permanecer entre as raízes ou procurar algo melhor.

A releitura de Beatriz Bracher traz a mesma história, mas toda fragmentada, pensamentos de um personagem aqui, conversas de outros ali. Bom para imaginar o que os outros personagens pensavam do caso, já que no de Joyce só temos os pensamentos de Eveline E ela além de ter escrito algumas partes, copiou outras de textos do próprio Joyce que são apontados no final do conto. Eu acabei achando um pouco desconexo e complicado de entender, apesar de ela ter achado algumas passagens que realmente pareciam falar dos personagens do conto. Talvez alguém que goste muito dos livros do Joyce, eu ainda não li nenhum, goste muito da experiência (ou não rs).

james-joyce-9358676-1-402 copy

James Joyce (1882-1941) – Irlandês, revolucionou a estrutura narrativa da ficção ao publicar, 1922, o romance Ulisses, no qual utiliza, com radicalidade, o fluxo de consciência. Seus contos estão reunidos em Dublinenses.

 

beatriz-bracher copy

Beatriz Bracher – Nasceu em 1961, publicou os romances Azul e dura (2002), Não falei (2004), Antonio (2007), Anatomia do paraíso (2015) e outros livros de contos, todos pela Editora 34.  Também escreveu contribuiu para roteiros cinematográficos.

Ainda não conhece o projeto? Estou lendo em conjunto com os blogs Ponto para Ler,  Leitora Sempre e Jeniffer Geraldine os contos do livro Uns e Outros publicado pela Tag Experiências Literárias (um clube de livros por assinatura, saiba mais clicando aqui). Os encontros trazem contos clássicos já publicados com releituras de autores de língua portuguesa, nós sorteamos a ordem e montamos um calendário para cada blog (entenda melhor sobre o projeto). Sorteamos um exemplar do livro e a gamhadora foi Rudynalva Correia Soares.

No próximo sábado falaremos sobre os contos Os desastres de Sofia (Clarice Lispector) e Simplício (Eliane Brum).